Madrugada insone

03:24 no relógio, e enquanto a maioria dorme, meu corpo deve estar em outro fuso horário, num jet lag doido que vai me deixar caindo de sono amanhã, no caso, hoje. A minha mente é um caos e no meio dessa bagunça toda, me perdi nos meus devaneios e me encontrei pensando em quantas pessoas já passaram pela minha vida nessas três décadas – um ciclo natural. E nesses encontros e desencontros da vida, pessoas vêm, pessoas vão. E cada pessoa que passa pela minha vida, leva um pouco de mim e deixa um pouco de si. Às vezes sãos coisas boas, às vezes não, e tudo bem. Faz parte dessa coisa bonita que é viver, e ajuda no crescimento pessoal. A gente demora pra entender na hora, mas depois a ficha cai. E aí que a gente faz como o Menestrel, de William Shakespeare – até hoje não sei se é de autoria dele mesmo – planta um jardim e decora a alma, porque é isso que se deve fazer, não é? Mas não era bem isso que eu queria falar – tá vendo só? Já me perdi na minha bagunça mental – na verdade, eu não sabia o que queria dizer, apenas queria escrever, e as palavras foram saindo, o que é bom, quem sabe assim a mente esvazia e eu finalmente consiga dormir. Mas toda essa conversa aleatória me fez pensar nas poucas amigas que tenho e que quero que continuem comigo, se possível, até ficarmos velhinhas e fazermos coisas de velhinhas, tipo sentar na cadeira de balanço fazendo tricô enquanto lembra da juventude, ou sentar no chão da sala comendo besteira e falando bobagem e rindo pro vento, ou ainda caminhar no parque tomando sorvete e filosofando sobre a vida. Porque é isso que velhinhas fazem, não é?
Entre chegadas e partidas, há quem decida ficar.

Amanhã, no caso, hoje, vou precisar de doses extras de café.

Era tarde de sol…

…ela abriu a janela para que a luz entrasse e aquecesse o quarto como aquecia a sua alma. Ainda faltavam duas horas para anoitecer e ela aproveitaria para começar a ler o livro novo. Recostou-se na cama ainda bagunçada depois de uma noite mal dormida, pegou o livro na mesa de cabeceira e começou a ler. Como gostava desses momentos de solitude em que suas únicas companhias eram o livro, uma xícara de café e o gato roçando o seu pé, um pedido de atenção nenhum pouco sutil. Não conseguia se concentrar na leitura, as vozes que vinham da casa de trás eram muito altas e assim como a luz do sol, irrompiam na janela aberta. Largou o livro, pegou o celular, pôs os fones e deu play na música, uma mensagem apitou e as palavras que leu não eram agradáveis como aquela sensação de aconchego que sentia minutos antes e que agora era tomada por um inevitável pesar. A mensagem era de uma colega dos tempos de escola e trazia a notícia da morte de um ente querido, cuja vida não chegou a completar um ano. Nos ouvidos, uma música instrumental cujas notas eram delicadas e melancólicas, quase um cortejo fúnebre àquele clima lúgubre que se instalou ali. Como a vida é tão curta para algumas pessoas, pensou. Aquilo lhe parecia injusto, por mais que soubesse que a vida é um sopro. No silêncio que agora reinava, observou o feixe de luz sobre a cama desarrumada e ouviu o vento balançar as folhas da pequena árvore que repousava lá fora. Levantou-se, foi até à janela, contemplou o céu coberto de nuvens que pareciam algodões-doces – algodão-doce lembrava a sua infância – e ali, naquele instante sereno, fechou os olhos e sentiu o vento acariciar o seu rosto, grata pelo dom da vida.

Divagações

Quinta-feira, 1 de Setembro de 2016

Muito tempo passou desde que você partiu e me dei conta de que as lembranças estão cada vez mais turvas. Nunca tive uma boa memória, mas não imaginei que o tempo varreria os seus vestígios me deixando apenas alguns fragmentos de memórias e algumas fotografias guardadas no fundo da gaveta. Ainda lembro o som da sua risada, mas sinto-a cada vez mais longe e receio um dia não mais alcançá-la. O seu cheiro se esvaiu da minha mente e por mais que eu procure, ele se perdeu em meio a tantos outros cheiros. Eu me esforço pra não esquecer aquele último abraço que te dei na porta de casa, na volta do cinema, uma noite antes de você partir pra sempre. O tempo é cruel e não se importa em apagar lentamente aquilo que um dia foi tão vivo e palpável. Dias atrás, encontrei algumas fotos suas perdidas entre as minhas, e involuntariamente sorri. Então entendi, o tempo pode passar, a memória pode falhar, mas o amor não morre, ele tá lá, quietinho, guardadinho num cantinho especial do coração. Você levou uma parte de mim e me deixou um pedaço seu, e não há como desfazer essa troca. Você faz parte de quem eu sou. E isso é a coisa mais linda que você me deixou.

Metamorfose ambulante

É interessante olhar pra trás e perceber o quanto mudamos. Fiz uma autoanálise e fiquei feliz em constatar o quanto – ao longo dos anos – melhorei como pessoa. Abri minha mente pra novas ideias, e pensamentos formados e consolidados, mudaram. O que era certeza, hoje, é dúvida; o que era dúvida, hoje, é certeza. E amanhã pode não ser mais. O mundo está em movimento, e a gente também. Mudar faz parte do processo de amadurecimento. Aliás, às vezes a gente reclama que tá envelhecendo, mas a maturidade não tem preço. A não ser que eu pudesse ser a Líley do corpo de 20 com a mente da Líley de 30, eu não me trocaria por ela.

A vida é um aprendizado constante, e ao longo da nossa existência passamos por várias mutações. O espelho revela as mudanças externas, mas a mudança mais importante não está no reflexo no espelho, ela ocorre de dentro pra fora. Hoje já não somos mais os mesmos de ontem. E sabe o que é mais interessante? É que nunca ficaremos prontos, sempre haverá o que mudar. Somos projetos inacabados em constante evolução. Ou como um sistema operacional que sofre contínuas atualizações. Meu sistema atual, por exemplo, está defasado em relação a outros mais avançados. Não sou perfeita e nunca serei, mas posso dizer que hoje sou melhor do que fui ontem, e amanhã quero ser melhor do que sou hoje. Ainda tenho muito a aprender, como eu disse, não sou um projeto finalizado, tô mais pra esboço, uns ajustes aqui, outros acolá, e assim as alterações vão acontecendo e eu vou me tornando uma versão melhor de mim mesma. Não sou pokémon, mas meu objetivo é evoluir.

sem-titulo-3

Como diz a letra da música:  “…eu prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo…”

O que ficou do BEDA

E o mês que rendeu tantos memes no facebook chegou ao fim e, com ele, o fim do BEDA. Pra encerrar o desafio ainda em clima de olimpíadas, será que mereço pelo menos uma medalha de bronze por ter me disposto a tentar e, mais do que isso, ter ido além do que pensei que conseguiria? 😁

Apesar de não ter seguido à risca essa jornada frenética e postado todos os dias como recomenda a proposta, decidi encarar o BEDA como um desafio pra sair da zona de conforto e movimentar o blog, já que a média de postagem era superbaixa. Fiz as contas aqui e contabilizei nove posts, incluindo este. Ok, não é um número de dar orgulho, considerando que o mês teve trinta e um dias, mas analisando pelo lado positivo, não fechei o mês com saldo zero (já teve meses com 0 publicação) e isso é, por si só, motivo de orgulho. Comemorem comigo essa vitória! hahaha

Não é novidade que planejamento e organização são fundamentais na vida, principalmente quando você tem que produzir conteúdo por 31 dias consecutivos, falhei miseravelmente nesses quesitos. Logo eu que sempre gostei de organização ando com a vida um pouco bagunçada, confesso. Mas constatar o erro é um passo pra mudança. Colocar o aprendizado em prática é meu objetivo e, obtendo êxito, o blog refletirá o resultado.

O BEDA também me proporcionou conhecer outros blogs e, mais do que isso, conhecer um pouquinho das pessoas por trás dos blogs, criando uma interação muito legal. A blogosfera é muito vasta e no meio de tantos blogs grandes e famosos existem os blogs menores e não famosos, mas com conteúdos igualmente (ou até mais) bons e que merecem atenção. Vou deixar no final do post os links dos blogs que participaram pra quem ainda não conhece e quiser conferir, os nomes estão em ordem alfabética.

Meninas do grupo mais amor dessa blogosfera, muito obrigada por cada incentivo, apoio e carinho. ♥

Blog Since85 | Brilha la Luna | Carioca do Interior | Conversa Íntima | Descoisando
Divergências Vitais | Em Outubro | Feito Bailarina | Fleur de Lune | Iletrando | Isabella Cas
Leuxclair | Mulher Pequena | Nada Sensata | Pequenos Retalhos | Viagens de Apartamento

Que setembro nos traga bons ventos!
Beijos

As fotografias de Alexander Yakovlev

Ontem, 19 de agosto, foi o Dia Mundial da Fotografia, e como amante dessa maravilhosa forma de expressão, resolvi fazer este post – mesmo um dia atrasada.

Pra celebrar a data, quero apresentar o trabalho incrível do fotógrafo Alexander Yakovlev que conheci através dessa publicação e me encantei.

Alexander Yakovlev é um fotógrafo russo que se destaca por suas fotografias de dança. Apaixonado por movimentos corporais, inclui em suas composições um pó branco, produzindo um efeito fantástico que, somado à dança, dão característica um tanto incomum às suas fotografias.

001medium_large.1445421073

AY

stock-photo-139051503

stock-photo-126680757

AY2

stock-photo-128150409

stock-photo-158643937

São tantas fotos incríveis que o processo de escolha foi uma missão quase impossível. Não deixem de conferir o trabalho dele, tem muita fotografia linda que não entrou no post. Seguem os links do site500px e faceboook.

13876501_10209436672735998_8933851372080744167_n

Pra ouvir e se apaixonar: Sophie Park

Sophie

Mais uma da série: coisas boas devem ser compartilhadas. Vim aqui dividir com vocês minha descoberta da semana: Sophie Park. Essa moça bonita da foto. Com uma pegada folk, voz rouca e aveludada, músicas que abraçam e fazem a gente relaxar, ela possui apenas um EP com quatro faixas, lançado em 2014 e um single em 2015.

4_edited2

Não encontrei muitas informações sobre ela. Portanto, não há muito o que falar, só ouvir e sentir. O EP tá disponível no Spotify, é só dar play e se apaixonar ♥.

(não consegui centralizar esse troço e a falta de simetria me dá nos nervos)

13876501_10209436672735998_8933851372080744167_n